30 de abr de 2009

Eu me amo porque...

Não sei exatamente o motivo, e será difícil dizer com algumas palavras. Seria por motivos do meu passado, presente ou futuro? Talvez, mas não tenho como responder isso agora. Uma coisa é certa “eu me amo”.

Eu me amo mesmo sendo só um aglomerado de células como qualquer outro ser vivo. Então o que tenho de tão especial para que eu me ame? Acho que essa eu consigo responder, a diferença que faz eu amar mais a mim do que ao meu cachorro é um simples fato: a Razão.

Digo que é a Razão porque é ela que faz eu me reconhecer na frente do espelho. E ela que permite que eu saiba cada um dos meus pontos fracos e fortes, cada um dos meus segredos mais íntimos, cada desejo e preferência que guardo dentro de mim, ou seja, eu me amo por me conheço muito bem.

Há na doutrina cristã o seguinte preceito: “Você só ama, verdadeiramente, aquilo que conhece”. Quando analisamos friamente essa frase pensamos apenas naquele amor que dedicamos à outra pessoa, mas na verdade isso também vale para o amor próprio.

Se você se esconde atrás de várias máscaras, esconde-se até mesmo de si e isso te leva a um ponto onde passas a não mais se reconhecer; conhece apenas as máscaras, cada uma com desejos, preferências e opiniões diferentes uma das outras, então, você se torna um desconhecido para si mesmo e passa não se amar.

Então eu me amo porque me conheço, esse é o real motivo.

VM

26 de abr de 2009

Sim,a aparência importa

Esse é o titulo de um matéria do UOL Times de hoje. Na matéria a autora resolveu analisar de uma forma mais formal o "fenômeno Boyle". Achei muito interessante a abordagem mais fundamenta em ciência do que em mera filosofia de programa feminino do tipo:"É amiiiiga... as aparências enganam!". Vou tentar resumir o artigo e caso se interessem mais clique aqui.
Por Pam Belluck
Há mais de uma semana, pessoas em ambos os lados do Atlântico têm usado a história de Susan Boyle - a solteirona escocesa desleixada que chegou à fama cantando no programa de TV "Britain's Got Talent" - como um exemplo de quão superficiais nos tornamos. Mas muitos cientistas sociais e outros que estudam a ciência dos estereótipos dizem que há motivos para avaliarmos rapidamente as pessoas com base em sua aparência. Julgamentos rápidos a respeito das pessoas são cruciais para o modo como funcionamos, eles dizem - mesmo quando esses julgamentos são muito errados. "Estereótipos são vistos como um mecanismo necessário para entendimento da informação", disse David Amodio, um professor assistente de psicologia da Universidade de Nova York.

Susan Fiske, uma professora de psicologia e neurociência de Princeton, disse que tradicionalmente, a maioria dos estereótipos se divide em duas dimensões amplas: se a pessoa parece ter intenção maligna ou benigna e se a pessoa parece perigosa. De fato, a atração é uma coisa que reforça o estereótipo e faz com que se cumpra. Pessoas atraentes têm "crédito de serem socialmente hábeis", disse Fiske, e talvez sejam, porque "se uma pessoa é bonita ou simpática, as outras pessoas riem das piadas dela e interagem com ela de uma forma que facilita a interação social"."Se uma pessoa não é atraente, é mais difícil conseguir todas estas coisas porque as outras pessoas não a procuram", ela disse.

Quando as pessoas não se encaixam em nossas noções pré-concebidas, nós tendemos a ignorar as contradições, até serem dramáticas demais para ignorar. Nestes casos, disse John F. Dovidio, um professor de psicologia de Yale, nós nos concentramos na contradição - a voz de Boyle, por exemplo. Apesar disso nos fazer vê-la mais como um indivíduo, nós também "encontramos uma forma do mundo fazer sentido de novo, mesmo que para isso digamos: 'Esta é uma situação excepcional'. É mais fácil para mim manter as mesmas categorias na mente do que chegar a uma explicação para as coisas que são discrepantes".

Dovidio disse que encontrar discrepâncias nos estereótipos provavelmente "cria um tipo de estímulo autonômico" em nosso sistema nervoso periférico, provocando picos de cortisol e outros indicadores de estresse. "O estímulo autonômico nós motivará a fazer algo naquela situação", ele disse, especialmente se a situação é perigosa. Helen Fisher, uma professora de antropologia da Rutgers, teoriza que no caso de Boyle, os telespectadores também passaram por uma "onda de dopamina" com a surpresa agradável de ouvir a voz dela. "A novidade aumenta a dopamina no cérebro e faz você se sentir bem", ela disse. Isto pode ajudar a explicar por que tantas pessoas foram atraídas pela história de Susan Boyle. Mas o fato de aceitarem a ela e outros azarões subestimados dificilmente mudará nosso gosto pelo estereótipo.

A sociedade moderna, com sua consciência dos preconceitos ao longo da história e sua capacidade sem precedente de apresentar tantos tipos diferentes de pessoas umas às outras, pode diluir ou mesmo neutralizar algumas noções pré-concebidas. Mas outras persistirão e novas surgirão, dizem os especialistas.

"A matéria-prima de dizer que você está comigo e ela não está é algo que está sempre presente", disse Berreby. "Não é algo que inventamos por causa da TV ou do carro. Também não é algo ligado à vida moderna. É algo inerente à mente."

Por hoje é só.
VM

23 de abr de 2009

Infância prolongada

Sempre gostei desenho animado, mas principalmente daqueles que mais pareciam seriados com vários episódios. Não abandonei até hoje esse hábito, sempre que consigo tento acompanhar alguma série animada mas com um porem adicionei a lista hábito assistir seriados com gente de verdade também.
Hoje navegando pelos blogs que acompanho dei de cara com um post da Ice Ice Baby com um imagem do Lex Luthor (Vilão do Superman). Se tratava de um teste onde cruza algumas características de vilões famosos com as suas, e dá como resultado o quanto você tem de cada vilão. E o meu resultado foi...

Your results:
You are Era Venenosa
Era Venenosa
47%
Apocalypse
45%
Juggernaut
41%
Fenix Negra
41%
Venom
40%
Dr. Destino
40%
Coringa
39%
Mr. Freeze
36%
Lex Luthor
32%
Magneto
31%
Mystica
29%
Mulher Gato
26%
Duas Caras
25%
Rei do Crime
18%
Doende Verde
17%
Charada
14%
Você faria qualquer coisa para proteger a natureza, desde a manipulação até a eliminação.


The Supervillain Personality Quiz

Façam o teste também quem sabe você se descobre uma Mulher Gato, Misteriosa e Sensual

VM

20 de abr de 2009

Ciúme maternal

Faz quase vinte anos que meus pais se separam, mas ainda sim minha mãe continua com essa história!!! Toda vez que vou visitar meu pai (moro com minha mãe) lá vem ela com piadinhas/jogo emocional. Já passou da hora dela notar que isso não vai mudar nada entre nós. Eu tenho o seguinte pensamento: Meu foi mega FDP quando saiu de casa e deixou ela com dois filhos para criar, mas o que posso fazer? Ele é meu pai, não tenho como negar...
VM

9 de abr de 2009

Pensem nisso...

Não sei se notaram, mas coloquei um banner do WWF aqui do lado... É um teste interessante que avalia como os seus hábitos estão ou irão afetar o planeta. Cliquem lá e se avaliem. Só para deixa registrado eu não sou um exemplo de ser humano para as questões ambientais, mas estou tentando melhorar, vejam o meu resultado...

Nunca me preocupei muito com essas causas ambientais em geral, mas sempre achei interessante o assunto por mais que não seguisse os princípios pregados pela maioria dos grupos. Até que uma amiga da faculdade me fez abrir os olhos e olhar melhor para toda essa situação. Ela não precisava falar, ela apenas agia de uma forma que nunca tinha visto; então passei a rever os meus hábitos e preferências. Claro que não chego nem perto dela no quesito consumo responsável mas estou caminhando...(e tentando não deixar pegadas)

VM

Ventos de outono

Vi um texto semelhante a essse no "Várias Anas" e resolvi postar o do nutricionista...

Nutricionista não se apaixona...alimenta sentimentos.
Nutricionista não faz exercício...queima calorias.
Nutricionista não bebe...lesa as células hepáticas.
Nutricionista não come doce...ingere CHO de alto índice glicêmico.
Nutricionista não lava louça...higieniza utensílios.
Nutricionista não faz comida...ensina a comer.
Nutricionista não come kani...ingere peixe sabor sirí.
Nutricionista não tem dor de estômago...tem desconforto gástrico.
Nutricionista não toma remédio...utiliza fármacos.
Nutricionista não tem desejos absurdos na gravidez...tem picamalácia.
Nutricionista não tem IMC normal...é eutrófica.
Nutricionista não é universitário...é profissional em treinamento.

...Mas na verdade vim aqui para dizer que, os ventos do outono trouxeram mudanças para essa minha vida (E os anjos cantam Aleeluuiiaaa...). Depois de um um ano e meio trabalho feito burro de carga nesse hospital, finalmente vou para o setor que desejei desde o cadastro no site...O Depto de Nutrição...e o melhor para a função que sempre (desde os 13 anos) desejei trabalhar: Nutricionista, sim pq até agora eu não exercia tal função; como eu falei eu era um burro de carga ou melhor um morcego de carga afinal trabalho a noite.

...Valeu Deus, agora só falta a tampa dessa cumbuca aqui.

VM